NAS ASAS DE ICARO

14-12-2016 05:29

NAS ASAS DE ICARO    

 
 
 
 

Como te presentes.. Logo te sentes e 
Como pensas logo existes.
Factos circenses duma realidade tão cheia de conteúdo como o fumo dum cigarro

Como se noutro espaço... noutro tempo... noutro local existe um outro tu... Uma outra face,um outro olhar...um outro reflexo te encara com desdém.

E pressentes... Sentes... que o teu mundo..Este teu mundo não é a face que vês no reflexo do espelho.
Mas mesmo assim tal como Ícaro tentas voar com asas feitas de nada

Sentes na alma mil vidas que não a tua, como se um anjo te esperasse ao final da esquina para te dar a existência da tua alma reflectida em mil diferentes e reflexos dentro dum espelho só .

E voas entre vidas, entre tempos, locais e universos como se tivesses em teu olhar o peso da responsabilidade de voar com as asas que Ícaro teve nas suas costas.

Perdes-te entre mundos sem fim por ti criados, inundando-te a alma com o vazio frio do gume da navalha.
E mesmo sem saíres de ti mesmo sentes a cada suspiro o corte cego da lâmina abrir na carne a presença de vidas por ti visitadas por tantas outras ocasiões.

E è em teu espírito que a voas como Ícaro confíante cegamente que te leve à redenção, congregando num simples momento... Numa simples e única Singularidade de espaço e tempo, todas as tuas vidas, do antes e do depois... Do passado e do presente..Entre o distante e o ausente.

E serás tu mesmo um Ícaro que voará ... Com sonhos vazios de esperança, confiando em asas feitas de nada.

Bruno Rio