As Lagrimas do Pianista

13-03-2018 06:28

As Lágrimas do Pianista

Penso em ti em momentos descabidos de realidade como fogueiras na praia numa noite de chuva... 

Anseio o olhar, como as estrelas esperam a noite ...como pedaços de palavras e pensamentos separados por um mar de peças de puzzle, anseiam a mão de quem o conclui. 

Salto sobre cinzas de memórias como um malabarista sem público...Como uma gota sem destino...como um poeta sem audiência...Ou um relâmpago sem som. 

Molho teclas de piano vazias de toque...como que tocasse melodías em teu corpo sem o poder sentir em meus dedos...sem ter esse  teu sabor em meus lábios... sem sentir o vento antes da tempestade. 

E Como gotas de absinto sinto o efeito ébrio acender fagulhas de paixão. Tornando a cinza no fogo que outrora ardeu, tão fugaz e efémera como a ânsia da sede por um copo vazio. 

E Procurando a magia que existiu nessa praia agora cinzenta e fria,  à medida que a memória de teu calor escorre em meus olhos em forma da lágrima que não te esqueceu...continuo a molhar  teclas de  piano imaginando melodías do tempo em que tudo não  aconteceu. 

Bruno Rio